Multiplicando conhecimentos, potencializando ações na comunidade

Curso de Gestão Cultural amplia conhecimentos sobre o tema e promove uma intensa troca de experiências entre jovens agentes culturais da periferia paulistana

Com o objetivo de ampliar os conhecimentos técnicos sobre gestão cultural para artistas, agentes culturais e coletivos do bairro Cidade Tiradentes, o projeto “Cooperativa de Artistas: Produzindo Caminhos Sustentáveis para a Vida” que tem patrocínio da empresa Petrobrás, está promovendo o Curso de “Gestão Cultural” desde o dia 09 de março iniciado com o módulo Empreendedorismo Cultural”. E para falar sobre o assunto, o ponto de partida foi uma mesa de experiências com diferentes relatos sobre o tema. Participaram: Thabata Ewara do Coletivo ALMA – http://www.coletivoalma.org/, Montanha da FUNKTV – http://www.funk.tv.br/ e Leandro HBT do Mosquito Project – http://www.mosquitoproject.org/. Os alunos se identificaram com os relatos, participaram trazendo novas reflexões e colocaram dúvidas sobre o que representa atuar com o empreendedorismo cultural, enriquecendo a conversa.

Muitas reflexões se deram a partir das experiências. Esse curso surgiu num momento que eu tinha saído do meu emprego formal. Agora sigo buscando com a minha arte sobreviver dela, no curso estou encontrando caminhos que podem me possibilitar isso” – diz Alessandra Paes, Artista, Ilustradora e Designer e aluna do Curso.

Dando continuidade ao módulo foi a vez do Ary Scapin, consultor do Sebrae e articulador da Rede de Pesquisa de Empreendedorismo SP trazer subsídios teóricos sobre o assunto: “Entender os princípios do empreendedorismo é fundamental para a otimização do projeto.”

No dia 27 de abril, teve inicio o módulo “Elaboração de Projetos Culturais”, ministrado por Aluizio Marino, formado pelo CELACC – Núcleo de Pesquisa Interdepartamental criado na Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo em 1996 vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa da USP.

Durante quatro encontros, trabalhou-se com os participantes a metodologia do “quadro lógico”, uma analise sistêmica e lógica que facilita a elaboração de projetos. Durante a oficina, Aluizio propôs a construção de um projeto hipotético para exemplificar o passo a passo da metodologia. Durante o exercício, surgiram interessantes discussões e reflexões sobre como potencializar as ações de cada agente cultural ali presente.

“Sou atriz e não quero me restringir a carreira de formadora, porque é basicamente isso que se encontra… quero também começar fazendo projetos, e não aprendi isso na faculdade,diz  Juliana Theodoro, sobre a importância de conhecer estas ferramentas.

Mas não é só a questão teórica que produz novos conhecimentos. A diversidade de experiências reunidas entre estes fazedores de cultura também promove novos saberes e os motiva.

“Estou achando muito legal a troca de experiência que está acontecendo dentro do curso. Para mim está sendo muito importante conhecer outros artistas da região” – relata Plínio Filho, escritor do bairro Cidade Tiradentes.

É assim que estes artistas têm vivido o curso: com o anseio de multiplicar seus saberes, trocar experiências e potencializar suas ações para transformar suas comunidades!